As novidades da Herdade das Servas

As novidades da Herdade das Servas 15
Fev
2017
Dizem que o passar do tempo trás a sabedoria e a serenidade, é também na passada do tempo que os grandes vinhos vão sendo guiados no caminho da excelência. Na Herdade das Servas (Alentejo) esse é o caminho que vem sendo trilhado com sucesso desde que o projecto arrancou em 1999. São sábias as mãos que por ali os vão criando, são essas mãos que lhes dão a capacidade de envelhecimento que as primeiras colheitas ali nascidas nos mostram com garbo nos dias de hoje. Uma adega é como uma universidade, fundamental na transmissão de valores e na educação dos seus vinhos.

Depois da última visita posso dizer com toda a certeza que a adega da Herdade das Servas é uma verdadeira Universidade que forma vinhos de gabarito para depois os colocar no mercado mais exigente. E como o saber não ocupa lugar, a procura do querer mais e melhor deu lugar à experimentação cuidada e sempre mantida no segredo até que os resultados sejam suficientemente sérios e capazes de conquistar os palatos mais exigentes. É essa vontade de querer sempre mais e melhor que permite que ano após ano sejamos brindados com um vinho diferenciador dos restantes ali criados. São esses mesmos vinhos que me aguçam a curiosidade e que me fizeram deslocar uma vez mais à Herdade das Servas.

No dia anterior tinha sido aberto, na companhia do enólogo Tiago Garcia, um Herdade das Servas Reserva 2003 que marcado pela casta Alicante Bouschet e que a caminho dos 14 anos, se mostrou em grandiosa forma. Estava lançado o mote para a prova de algumas das mais recentes novidades.
Herdade das Servas Alvarinho 2015: Destaca-se pela boa frescura de aromas que invocam a casta, limpo e com o volume próprio que a casta ganha no Alentejo. Saboroso e cheio de energia, firme com notas de citrinos e leve tropical a terminar seco e prolongado.
 
Herdade das Servas Reserva Branco 2015: Reparte o lote pelas castas Arinto, Alvarinho e Verdelho, com passagem por barrica que se mostra bem integrada. Amplo e com a frescura da fruta em tons citrinos e de pomar, arredondado pelo madeira mostra-se amplo de corpo, com vigor e elegância.
 
Herdade das Servas Unoaked 2015: Uma novidade, um topo de gama cujo estágio apenas decorreu em inox durante seis meses, com posterior repouso em garrafa de mais seis meses. O Alicante Bouschet domina o lote, restando pouco para a Syrah e a Touriga Franca. Um vinho cheio de vida com a pujança da fruta bem fresca e madura, amoras e framboesas com tons de ameixa seca, cacau e um ligeiro balsâmico de fundo. Na boca é o lado mais vigoroso e austero das bagas silvestres a mostrarem um tinto saboroso com taninos vivos a darem boa secura no final. Terá uma longa vida pela frente, mas de momento com um ensopado de javali é uma delícia.
 
Herdade das Servas Reserva 2013: Uma década depois do primeiro Reserva, comemoramos agora com este 2013 onde assistimos a uma valsa entre a Alicante Bouschet e a Cabernet Sauvignon com passagem em madeira durante 12 meses. O vinho é amplo, maduro com a fruta limpa e saborosa, sente-se que está cheio de vida com notas de cacau, tabaco, tudo ainda muito jovem e a pedir tempo. Na boca é alvo da juventude mais inquieta, intenso, cheio e amplo, feito para durar e encantar, tal como continua a fazer o Reserva de 2003.
 
Herdade das Servas Parcela V 2011: Será a partir de agora o novo topo de gama, oriundo de uma vinha velha, que passa 12 meses em barrica e mais 3 anos em garrafa. O que se destaca no primeiro impacto é a frescura e a elegância de um conjunto repleto de finesse. O perfil é o da casa, um vinho cheio, amplo, estrutura firme, mas neste caso é dono de uma elegância suplementar. Os aromas aconchegam num complexo e rendilhado bouquet, com a boca a mostrar toda a frescura da fruta, amplo, saboroso e de enorme voracidade à mesa.