Herdade das Servas lança Alicante Bouschet e Petit Verdot da colheita de 2014

Herdade das Servas lança Alicante Bouschet e Petit Verdot da colheita de 2014Voltar13
Fev
2017
Depois de um final de ano bastante dinâmico em lançamentos, com algumas novidades em absoluto, a Herdade das Servas volta ao mercado para lançar a colheita de 2014 de dois dos seus monocastas. No Alicante Bouschet é caso para dizer que “não há duas sem três”; o Petit Verdot é mais recente, sendo esta a segunda edição. Dois tintos propostas que primam pela sua riqueza aromática, complexidade e potencial de guarda.
 

A casta Alicante Bouschet é a “menina dos olhos” da maioria dos produtores do Alentejo. Complexa e de difícil adaptação, tem nos solos de calcário da Herdade das Servas todas as condições para mostrar o seu potencial. O ‘Herdade das Servas Alicante Bouschet tinto 2014’ apresenta uma cor violeta profunda, que faz antever os seus aromas de ameixa e cereja preta. Um vinho robusto, intenso, a denotar o estágio em barricas de carvalho. O final persistente mostra que é um Alentejo, mas é no seu equilíbrio de acidez e estrutura que mostra toda a sua excelência. Límpido e elegante, acompanha bem carnes vermelhas e caça, queijos intensos e enchidos. Guardado em condições ideais a longevidade é assegurada por década e meia.

O ‘Herdade das Servas Petit Verdot 2014’ é um vinho diferente do que se espera do Alentejo: é um tinto fresco e mentolado. Tem um vasto leque de notas aromáticas; à menta e hortelã juntam-se as bagas silvestres e o chocolate. Complexo q.b., é elegante e mostra mineralidade e frescura que se prolongam no seu final persistente. À semelhança da primeira e até aqui única colheita, que data de 2010, o Petit Verdot de 2014 estagiou durante 12 meses em barricas de carvalho francês e americano, de primeiro e segundo ano; e, posteriormente, durante mais de um ano em garrafa na cave do produtor.

Dois vinhos, que embora vinificados todos os anos, uma vez que a política da Herdade das Servas é vinificar todas as castas em estreme, só chegam ao mercado engarrafados como produto final e em “regime” de monocasta quando atingem o patamar de excelência.